A viseira é a porta de entrada para outras drogas.



Há quem diga que a vida adulta começa quando você paga suas contas.


Errado.


A vida adulta começa quando você usa viseira. É esse gesto pequeno em tamanho

mas enorme em significado que te lança como um míssel pra onde o filho chora e a mãe não vê.


Com o uso da viseira você começa a abusar de outras substâncias: cheira óleo essencial, bafora própolis, consome ervas, bebe floral de litrão.


Quando você menos espera, está trocando shot de tequila com limão e sal por shot de limão com açafrão e gengibre. E mais dois comprimidos de ansiodoron pra fechar a conta, por favor.


Você não fica mais frustrada quando encontra feijão no pote do sorvete (pelo contrário, comemora). E nem se chateia quando pedem polenta em vez de batata frita (opa, melhor ainda). A pessoa que usa viseira, ela parou, instantaneamente, de separar as ervilhas do prato. E prefere brócolis a baconzitos.


Ela já entendeu que a cura de todos os males está no chazinho.


E que precisa lavar os pratos e panelas assim que termina de comer (às vezes até enquanto cozinha). E que é melhor ter duas esponjas para lavar louça, aliás.


Ela tem muitas decisões adultas pra tomar, e sabe que a forma mais sensata de fazer isso é consultando o tarô online.


Ela tem várias panelas, mas só usa uma. Tem vários talheres, mas gosta mesmo é da mesma faca.


É monogâmica de travesseiro: está com o mesmo há anos.


É poliamor de plantas: todo dia arranja uma nova.


Tem insônia na hora de dormir, e sono na hora do filme.


Carrega uma bolsinha de remédios.


A viseira é a porta de entrada para outras drogas.